Pular para o conteúdo principal

Poder Para Matar

O
s escribas e fariseus tentavam arrancar de Jesus algumas confissões que pudessem incriminá-lo. Eles queriam tirar de suas palavras motivos para o acusar. Eles precisavam de um plano para cumprir seu desejo homicida. Tudo isso, porque Jesus falava abertamente da hipocrisia praticada por eles. Porém, em reuniões com seus discípulos em presença de escribas e fariseus, Jesus falava por parábola. Suas palavras, em vez de produzirem nos doutores da lei mosaica completo entendimento para eles conseguirem prova para matá-lo, algumas vezes, deixavam-nos maravilhados e sem conseguirem arrancar êxito para cumprir seus intentos.
Então eles como hipócritas, fingidores, faziam convites amistosos a Jesus para reuniões em suas casas. Eles esperavam em seus gestos e conversas, distraí-lo para ter como acusá-lo perante as autoridades. Em algumas ocasiões, eles percebiam e questionavam que Jesus não se lavara antes do comer. E Jesus falou-lhes: vós limpais o exterior dos pratos e dos copos, mas o vosso interior está cheio de rapina e perversidade. Jesus revelava-lhes que conhecia bem o engano que estava no coração deles.
Eles se sentiam ameaçados pela influência dele entre o povo e Jesus mostra-lhes que, em vez de lutarem pela hegemonia econômica da qual se sentiam ameaçados, deveriam fazer o bem àqueles que eles tanto temiam. Ele disse-lhes: dai esmolas do que tiverdes e tudo vos será limpo. Não bastavam os dízimos como dever religioso. Precisavam ser justos e temer a Deus.
É bem verdade que, na lei mosaica, eles não encontrariam razão para matá-lo, mas pelas suas tradições, podiam dar falso testemunho e incriminar Jesus na lei romana. Era bastante acusá-lo de impostor ou de conspirador. Eles próprios não o matariam, mas constituíam pela amizade com as autoridades romanas álibi para crucificá-lo. Dessa forma obteria o poder para matá-lo. Enumeráveis vezes, isso acontece no coração de muitas pessoas religiosos hoje que deixam a generosidade e se apoiam no fingimento. Fingem amar seu próximo e no coração desejam as piores coisas para elas, inclusive a morte. Não matam, às vezes, para não escandalizar o evangelho, mas apoiam que leis sejam criadas para matar pobres, negros e armas sejam liberadas para prática de homicídios, sob o discurso de que bandido bom é bandido morto.
Jesus conhece os corações que estão alienados dele. Ele nos orienta para que não deixemos o bem e entremos pelo caminho da hipocrisia. Por isso que sempre admoestou os discípulos a se cuidar do ensino dos escribas e fariseus. Eles faziam tudo para ganhar apoio do povo a das autoridades políticas para levar Jesus à morte.
Atualmente, é comum encontramos muitos líderes religiosos, no Brasil e no mundo, cometendo o engano de querer unir política e religião. E cometendo todo tipo de hipocrisia para gozar de reconhecimento das autoridades políticas e do povo. Hoje, no congresso nacional, trinta e oito por cento do parlamento brasileiro são constituídos por evangélicos das diversas igrejas protestantes. Boa parte deles, envolvida nos mais diversos escândalos de corrupção, estupro, feminicídio, homicídio, misoginia e, acima de tudo, praticando o ódio contra o próximo. Todos esses buscam o poder dos homens e de Deus para cometer seus delitos.
Eles querem dos homens poder para exercer autoridade sobre as pessoas e, de Deus, eles querem poder para curar, expulsar demônios, ressuscitar os mortos. Imaginamos que, no coração de muitos, está o desejo de matar aqueles de quem não gostam. Certamente matariam todos que o ameaçassem e contrariassem seus maus intentos disfarçados de bem. Homens que querem as primeiras cadeiras na política e saudação nas praças pelo povo. Aos que desejam viver a hipocrisia, restam alguns ais. Ai para os religiosos que falam em nome de Deus e dos profetas e são cumplices dos criminosos, são zelosos da lei de Deus e consentem na morte dos verdadeiros fiéis e inocentes. Jesus continua advertindo a todos em seu evangelho. Devemos ter cautela e entrarmos pelo caminho do evangelho. Visto que ele conhece os corações de todos. Ele pede para que também não tenhamos medo de lutar ao lado de sua justiça e fujamos do poder para matar dos poderosos e não os temamos, porque não podem fazer nada além disso. Temamos antes a Deus que tem o poder de matar e lançar a alma no inferno.

Francisco de Assis Gomes



Comentários

Postagens mais visitadas

Verdade Prática

A banda Verdade Prática surgiu no ano de 2002, liderada por João Paulo das Chagas (conhecido como Paulinho Santa Cruz que atualmente segue com um projeto solo, produzido pelo Rota 33 Studio), que findou as atividades de sua antiga banda “IDEAL”, para dar lugar ao Verdade Prática, que teve início oficialmente com a entrada de Ruffles Brandon, seu atual líder. O nome da banda surgiu com uma pequena brincadeira em uma escola bíblica dominical, onde na lição de ensino tinha um trecho escrito “Verdade Aplicada”, mas alguém leu errado e falou “Verdade Prática” e por esse motivo, a banda adotou o nome. No início eles eram em cinco integrantes, e tocavam cover de outras bandas e poucas músicas autorais. A banda que já tem 20 anos de história, possui em sua discografia álbuns nunca divulgados ao público, somente o álbum “Nosso Mundo”, que foi gravado em 2011 com a voz de Paulinho Santa Cruz. Hoje o Verdade Prática conta com três integrantes: Ruffles Brandon (vocal e guit

Introdos

A Introdos teve seu embrião numa banda que tocava todo domingo no antigo Culto do PA, que existia na antiga Igreja Renascer em Cristo, onde os jovens se reuniam para tocar Rock n’ Roll.  Isso aconteceu durante o ano de 2008, na cidade de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro. Porém, ao fim desse ano, a banda foi desfeita e alguns membros remanescentes se reuniram para dar início a um novo projeto, que tinha a intenção de explorar um som mais pesado e produzir canções autorais voltadas para evangelismo. A primeira reunião se deu em 13 de janeiro de 2009 e contou com a presença de Igor Motta (vocalista), Juninho (guitarrista) e Daniel Santana (baterista). O vocalista Ricardo da Cruz (Sim, a Introdos teria dois vocalistas) e Rubão (baixista), não conseguiram chegar à reunião nesta data, devido a imprevistos profissionais. Depois de alguns ensaios com os cinco, a banda acabou se estabelecendo como o trio que foi na primeira reunião e adotou o nome INTRODOS, em homenagem a uma

Sentido Inverso

O projeto de pregar através da música, e mais especificamente através do rock, nasce em 2003, através do chamado recebido pelo baixista Igor Titillo. O objetivo dessa missão é levar o evangelho aos corações duros à pregação, porém abertos à música, se valendo dessa estratégia para cumprir assim o "ide" de Jesus (Yeshua). Nessa fase a banda chama-se “Banda Primus” e juntam-se a ele seus primos Leandro Velloso no teclado e voz e Léo Velloso na bateria. No meio dessa estrada, o baterista Léo Velloso deixa a banda e em seu lugar entra a Priscila Moraes. Essa fase dura até aproximadamente, o ano de 2010, quando os músicos precisam seguir por rumos pessoais e profissionais diferentes, porém sem nenhuma desavença, mantendo os laços de família e de amizade que sempre tiveram. Ainda se sentindo incomodado por não estar cumprindo o seu chamado, o baixista Igor procura reformular o ministério a fim de seguir no cumprimento de sua missão. Em 2014 surge a idéia do nom