Pular para o conteúdo principal

O Maior Sirva o Menor


O

status é o destaque que alguém pode atingir em sua relação social ao admitir uma posição confortável de supremacia que estabeleça um ranqueamento que o eleve a um lugar privilegiado numa sociedade humana. Geralmente, as pessoas quando atingem a patamares de relevância em um determinado grupo social, tendem a se sentir melhores e diferenciadas, passam a exigir que uma hierarquia se forme ao seu redor e logo colocam muita gente ao seu serviço. Mas Jesus adverte seus discípulos para o modelo de sociedade entre os gentios que constituem servos e os orienta para uma nova maneira de viver.

        Jesus ensina aos discípulos o modelo de relação social que deve ser constituído entre eles no seu reino.  Nesse novo modelo social cristão, os bens, os títulos e a elevada intelectualidade não eram os principais requisitos exigidos. Mas a atitude correta para eles vivenciarem no reino de Deus, era o atendimento para servir uns aos outros e esse serviço se daria na base de que o maior serviria o menor. Então se alguém se encontra em condição de vida de destaque, deve olhar para os menos importantes. Dessa forma deve colocar todos seus bens materiais e imateriais a alcance deles.

        É muito interessante a forma como Jesus ilustra o reino de Deus. Ele compara a relação estabelecida nesse reino, com um pai de família que assalaria trabalhadores em várias etapas do dia e paga igualmente a todos sem estabelecer meritocracia produtiva. Em primeiro lugar, alguém que vai em busca de trabalhadores, segundo, considera o trabalho realizado por eles e, por último, atribui o mesmo valor a todos. Isso chama atenção de todos e gera até reclamação de alguém que, às vezes, é tratado de forma igualitária, mas deseja um tratamento diferenciado, sempre acima dos outros.

        Pois é, Jesus chama a atenção dos discípulos que vai haver queixas contra as atitudes de justiça em seu reino, mas é assim que devem ser feitas as coisas: todos devem ser tratados igualmente. Os discípulos deveriam mostrar bondade uns para com os outros e a maneira disso acontecer, era um serviço diferenciado recheado de amor e justiça.

        Outra coisa é importante notar na história sobre o pai de família que foi assalariar trabalhadores: a ordem do pagamento dos trabalhadores. Aqueles que haviam chegado por último foram os primeiros a receber. O valor pago a estes, chamou a atenção dos que chegaram no início do dia para trabalhar. Devem ter notado que os últimos receberam o valor de um dia de trabalho e julgaram não ser justo. Eles não entenderam, porque o dono da vinha havia agido daquela maneira e exigiram justiça. Mas, logo foi revelado o real motivo do ocorrido: o bondoso coração daquele homem. Certamente ele viu que pagando uma fração do dia de salário a quem trabalhou apenas uma hora, não atenderia sua necessidade diária.

        Além do mais, no desespero para protestarem, os primeiros trabalhadores estavam denunciando o dono da vinha e exigindo o que ele deveria fazer com seu próprio dinheiro. A generosidade daquele senhor não foi levada em conta por eles, embora tenha sido justo com todos. Havia pagado aos reclamantes o valor combinado, mas isso pareceu mal a seus olhos. Mostraram-se maus em reclamar da atitude daquele senhor. Então Jesus estabelece com essa história ilustrativa que, em seu reino, as coisas ganham um novo significado e uma nova forma de vida é desejada por Deus. Portanto sejamos honestos e nos livremos da malignidade de nosso coração. Não desejemos um tratamento de relevância, mas que esperemos receber de Deus tudo que já foi combinado, não pelo nosso merecimento, mas pela necessidade premente que será saciada pela sua justiça.

        Assim Jesus orienta os discípulos que quem quiser entre eles ser o primeiro, que seja seu servo. Há, desse modo, uma inversão dos valores já estabelecidos na sociedade de sua época. Tanto a sociedade judaica quanto a romana já conheciam bem a relação de senhor e servo. Naquelas sociedades, o senhor exercia poder sobre os servos. Mas entre os discípulos, o formato de relação social deveria seguir um novo modelo: o maior serviria o menor. Portanto, para servir a Cristo, precisamos atentar cuidadosamente para não vivermos uma concepção de vida cristã baseada no modelo cultural humano de uma sociedade estabelecido e baseado em um determinado poder econômico. No reino de Deus, a recomendação de Jesus é que o grande sirva o pequeno.


Francisco de Assis Gomes




Comentários

Postagens mais visitadas

Verdade Prática

A banda Verdade Prática surgiu no ano de 2002, liderada por João Paulo das Chagas (conhecido como Paulinho Santa Cruz que atualmente segue com um projeto solo, produzido pelo Rota 33 Studio), que findou as atividades de sua antiga banda “IDEAL”, para dar lugar ao Verdade Prática, que teve início oficialmente com a entrada de Ruffles Brandon, seu atual líder. O nome da banda surgiu com uma pequena brincadeira em uma escola bíblica dominical, onde na lição de ensino tinha um trecho escrito “Verdade Aplicada”, mas alguém leu errado e falou “Verdade Prática” e por esse motivo, a banda adotou o nome. No início eles eram em cinco integrantes, e tocavam cover de outras bandas e poucas músicas autorais. A banda que já tem 20 anos de história, possui em sua discografia álbuns nunca divulgados ao público, somente o álbum “Nosso Mundo”, que foi gravado em 2011 com a voz de Paulinho Santa Cruz. Hoje o Verdade Prática conta com três integrantes: Ruffles Brandon (vocal e guit

Introdos

A Introdos teve seu embrião numa banda que tocava todo domingo no antigo Culto do PA, que existia na antiga Igreja Renascer em Cristo, onde os jovens se reuniam para tocar Rock n’ Roll.  Isso aconteceu durante o ano de 2008, na cidade de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro. Porém, ao fim desse ano, a banda foi desfeita e alguns membros remanescentes se reuniram para dar início a um novo projeto, que tinha a intenção de explorar um som mais pesado e produzir canções autorais voltadas para evangelismo. A primeira reunião se deu em 13 de janeiro de 2009 e contou com a presença de Igor Motta (vocalista), Juninho (guitarrista) e Daniel Santana (baterista). O vocalista Ricardo da Cruz (Sim, a Introdos teria dois vocalistas) e Rubão (baixista), não conseguiram chegar à reunião nesta data, devido a imprevistos profissionais. Depois de alguns ensaios com os cinco, a banda acabou se estabelecendo como o trio que foi na primeira reunião e adotou o nome INTRODOS, em homenagem a uma

Sentido Inverso

O projeto de pregar através da música, e mais especificamente através do rock, nasce em 2003, através do chamado recebido pelo baixista Igor Titillo. O objetivo dessa missão é levar o evangelho aos corações duros à pregação, porém abertos à música, se valendo dessa estratégia para cumprir assim o "ide" de Jesus (Yeshua). Nessa fase a banda chama-se “Banda Primus” e juntam-se a ele seus primos Leandro Velloso no teclado e voz e Léo Velloso na bateria. No meio dessa estrada, o baterista Léo Velloso deixa a banda e em seu lugar entra a Priscila Moraes. Essa fase dura até aproximadamente, o ano de 2010, quando os músicos precisam seguir por rumos pessoais e profissionais diferentes, porém sem nenhuma desavença, mantendo os laços de família e de amizade que sempre tiveram. Ainda se sentindo incomodado por não estar cumprindo o seu chamado, o baixista Igor procura reformular o ministério a fim de seguir no cumprimento de sua missão. Em 2014 surge a idéia do nom